Abril 2019
página 2
 
 
Sindicalista diz que “trabalhadores não têm o que comemorar, pois as notícias para eles hoje são piores do que aquelas do ano passado”

   Em entrevista ao jornal “O Combate”, o presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Juiz de Fora, Silas Batista da Silva, disse que “o Dia do Trabalhador tem que ser marcado como um ponto de luta, ou seja, diversas manifestações de repúdio às perseguições à classe trabalhadora e ao movimento sindical têm que ser realizadas no dia 1º de Maio”.

     Perguntado se o trabalhador tem o que comemorar no dia que lhe é consagrado, Silas respondeu: “Evidentemente que não. Mas eu sempre falo que o 1º de maio é sempre um marco na história de luta da classe trabalhadora e do movimento sindical, e o trabalhador tem que ter isso sempre em mente, de modo que as manifestações têm que ser feitas, pois não podemos deixar de marcar esta data com as nossas lutas”.

     Segundo Silas, neste ano as notícias do governo Jair Bolsonaro (PSL) para a classe trabalhadora são ainda piores do que aquelas anunciadas no ano passado pelo governo Michel Temer (MDB), como, por exemplo, o já anunciado fim do reajuste do salário mínimo com ganho real. “Evidentemente que, com esse governo aí, tudo ficou pior ainda, porque ele escolheu como cobaia, como alvo, exatamente a classe trabalhadora. Mas o trabalhador não pode esmorecer de jeito nenhum, tanto diante da série de medidas que estão sendo tomadas contra ele, como também diante dessa reforma perniciosa da Previdência que prejudica principalmente ou unicamente o trabalhador brasileiro, contemplando o resto do segmento do capital e o mercado” – assinalou o sindicalista.

     Silas é contra a reforma da Previdência proposta pelo presidente Bolsonaro, pois não acredita que seja verdadeiro o déficit previdenciário de R$ 180 bilhões anunciado pelo governo. “A Previdência nunca foi deficitária, como o governo fala. Nós sabemos que neste País o governo sempre vai buscar dinheiro onde tem muito, e a Previdência sempre teve muito. Se há rombo, ele decorre do desvio de suas verbas para outras finalidades. Se a Previdência tivesse direcionado seu dinheiro unicamente para a sua finalidade, nós teríamos um fundo astronômico aí, e não teríamos que passar pelo que estamos passando até hoje” – afirmou o sindicalista.

     Para Silas, a proposta de reforma da Previdência “do jeito que está aí, não tem a mínima condição de aprovação”.

     Segundo ele, o maior problema da Previdência é de gestão. “Nós sempre defendemos – e os verdadeiros entendidos do assunto também defendem - que a Previdência nunca teve déficit, ela é e sempre foi superavitária. O maior problema da Previdência é e sempre foi de gestão. Governo nenhum mostrou competência até hoje na gestão da Previdência. Eles falam que a Previdência tem um rombo de R$ 180 bilhões, mas não falam que eles próprios criaram esse rombo. Eles mesmos sumiram com esse dinheiro e agora põem isso na conta para o trabalhador pagar. Se não mudar a gestão da Previdência, podem fazer quinhentas reformas e tudo será em vão, haja vista que estão fazendo reformas da Previdência desde o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso nos anos 1990, ou seja, já faz mais de 20 anos que estamos reformando, reformando e reformando a Previdência e ela só piora” – salientou Silas.

     “E vai continuar assim se não mudar a gestão de incompetência desse governo, que é a mesma dos outros governos passados” – arrematou o sindicalista.


“Que todo homem coma e beba, e goze do bem de todo o seu trabalho: Isto é um dom de Deus.” (Livro de Eclesiastes 3:13)

     Com estas palavras sagradas, proferidas pelo grande sábio Salomão num momento de inspiração divina, revelando que o trabalho é um direito inalienável do ser humano, consagrado pelas Escrituras Sagradas, como também é uma necessidade básica de todas as pessoas, queremos cumprimentar fraternalmente toda a classe trabalhadora por ocasião do transcurso do DIA DO TRABALHADOR.
     Que todos nós - sindicalistas, governos, empregadores e o povo em geral - aproveitemos este dia dedicado aos trabalhadores para meditarmos profundamente sobre a grande importância da classe trabalhadora no processo de desenvolvimento do nosso País. E que haja maior reconhecimento por parte dos governos e dos empregadores acerca do importante papel desempenhado pelos nossos companheiros trabalhadores, que estão a merecer salários mais justos e melhores condições de trabalho.

Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos
de Serviços de Saúde de Juiz de Fora

Pela Diretoria
Anderson Stehling – Presidente


“Não é bom para o homem que coma e beba e que faça gozar a sua alma do bem do seu trabalho? Isto (...) vem da mão de Deus”.
(Livro de Eclesiastes 2:24)

     Estas palavras sagradas, pronunciadas pelo grande sábio Salomão num instante de inspiração divina, mostram que o trabalho é um direito sagrado do ser humano para garantir o seu próprio sustento e o de sua família, razão pela qual não pode ser negado a ninguém. Daí a grande necessidade da criação de postos de trabalho para que sempre haja empregos para todos.

Paralelamente a isso, é extremamente necessário que haja também, por parte dos governantes e dos empregadores, maior reconhecimento da grande importância do papel exercido pela classe trabalhadora no processo desenvolvimentista do nosso querido Brasil, de modo que sejam oferecidos salários mais dignos e melhores condições de vida e de trabalho a todos os trabalhadores, que constroem a cada dia a grandeza deste País.

Que este DIA DO TRABALHADOR seja proveitoso para um momento de meditação sobre esta mensagem com a qual queremos abraçar afetuosamente a todos os companheiros trabalhadores, especialmente os comerciários.

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE JUIZ DE FORA

A Diretoria



 “O Combate”, jornal “do trabalhador para o trabalhador”, saúda a classe trabalhadora pelo transcurso do Dia do Trabalhador.



2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas