Fevereiro de 2016
página 4
 
 
Campanha salarial dos frentistas continua indefinida

     Continua indefinida a campanha salarial dos empregados dos postos de combustíveis, lojas de conveniência, lava-rápidos, estacionamentos e garagens de Minas Gerais. A data-base (ocasião de reajuste salarial e renovação da Convenção Coletiva de Trabalho) da categoria é 1º de novembro.

     As entidades sindicais que representam os frentistas neste Estado, atuando em conjunto em negociação coletiva com pauta unificada, realizaram mais duas reuniões com o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (MINASPETRO), na sede da entidade patronal, em Belo Horizonte. Uma no dia 28 de janeiro e a outra no dia 17 de fevereiro. Durante as reuniões, os representantes dos trabalhadores e os da classe patronal debateram acaloradamente diversos assuntos de interesse dos empregados e empregadores dos postos de combustíveis de Minas Gerais, mas não chegaram a um acordo para celebração da nova Convenção Coletiva de Trabalho da categoria, divergindo-se acerca de várias questões, principalmente sobre o índice de reajuste a ser aplicado aos salários dos trabalhadores e à PLR – Participação nos Lucros e Resultados das empresas.

     Para o presidente da Federação Nacional dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo (FENEPOSPETRO), Francisco Soares, “o MINASPETRO vem se mantendo muito intransigente, o que está dificultando a negociação”. 

     O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região – SINTRAPOSTO-MG (que representa esses trabalhadores em Juiz de Fora e Região), Paulo Guizellini, afirmou que “o Sindicato patronal ainda não apresentou na mesa de negociações nenhuma proposta que atenda às necessidades e aspirações dos trabalhadores, razão pela qual não foi fechado ainda nenhum acordo”.

     Foi marcada para o dia 3 de março a oitava reunião dos sindicalistas.

Juntamente com a bancada trabalhista (à esquerda), o presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini (em pé), ao lado do advogado João Batista de Medeiros (ao centro), integrante do Departamento Jurídico da entidade, participando da 6ª rodada de negociação com a Comissão Negociadora do MINASPETRO (à direita), na sede do Sindicato patronal, em Belo Horizonte, no dia 28 de janeiro.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
Sindicato dos Empregados em Edifícios e nas Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Comerciais e Residenciais de Juiz de Fora - SINDEDIF-JFbr /> ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Avenida Getúlio Vargas, nº 828, sala 603, Centro – Juiz de Fora – MG – Telefone 0(xx)32-3215-9461
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Condomínios de JF na mira de bandidos (VIII)
Polícia mostra modo de agir dos ladrões

     Dando continuidade à série de matérias com dicas de segurança da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP), que publicou uma cartilha voltada à segurança em condomínios, com dicas contidas em sete capítulos, publicamos hoje mais uma parte do capítulo III, mostrando procedimentos preventivos básicos de segurança em condomínios.

     O capítulo I da cartilha, publicado na edição de julho do jornal “O Combate”, revelou “como deve ser a segurança de um condomínio”.

     O capítulo II foi publicado em três partes. Na edição de agosto deste jornal, publicamos as Dicas de Segurança para os Síndicos; na edição de setembro, publicamos as Dicas de Segurança aos Condôminos; e na edição de outubro, publicamos as Dicas de Segurança aos Funcionários.

     Da mesma forma, por questão de espaço, resolvemos dividir também o capítulo III em três partes. Na edição do jornal “O Combate” de novembro de 2015, publicamos a parte que fala da portaria e identificação de visitantes e prestadores de serviços. Na edição de dezembro, publicamos a parte que revela as dicas da cartilha da PMESP sobre identificação de entregadores de mercadoria (encomendas, pizzas, flores, presentes ou outros objetos) e controle de entrada e saída de prestadores de serviço por empresas de terceirização de mão de obra.   

     Nesta edição, estamos publicando a terceira e última parte do capítulo III.

     Na próxima edição do jornal “O Combate”, vamos entrar no capítulo IV da referida cartilha. Não percam. E até lá, se Deus quiser.  

A DIRETORIA

Capítulo IV - Modo de Agir dos Ladrões.

Os infratores da lei atualmente têm utilizado os mais diversos ardis para entrar nos condomínios com a finalidade de cometerem algum tipo de delito contra seus moradores. - Os fatos mostram que em 90% das ocorrências de roubo em condomínios, os assaltantes entraram pela porta da frente do prédio, ou seja, de alguma forma burlaram ou violaram o sistema de segurança montado, ludibriando principalmente o porteiro de serviço.

4.1. Modus Operandi (forma de agir). ● Saltando os muros e cercas do pátio em locais vulneráveis e fora da visibilidade do porteiro ou vigilantes; ● Pulando os muros e cercas; ● Como “passageiros” de veículos de entrega que entram na garagem; ● Pelo portão de serviço travestido de prestadores de serviço da Telesp, Sabesp, Comgás, Eletropaulo, eletricistas, encanadores, entregadores de pizza e encomendas, etc.; ● Iludindo o porteiro de forma que este permita que o ladrão entre pelo portão principal ou mesmo pelo portão da garagem; ● Passando-se por comprador de imóvel, ludibriando o porteiro, sob a alegação de ter que olhar, a fim de fazer uma avaliação; ● Estando acompanhado de uma mulher bonita a fim de distrair a atenção do porteiro para persuadi-lo a abrir o portão; ● Pela porta principal ou portão da garagem, acompanhando um morador que entra a pé ou dirigindo um veículo, ameaçado e subjugado pelo assaltante; ● Tocando a buzina ou piscando os faróis do veículo defronte o portão da garagem para que o porteiro o abra inocentemente; ● Pelo portão da garagem quando este permanece aberto durante a entrada ou saída de veículos; ● Pelo uso de artimanha junto ao porteiro, dizendo a este que veio buscar uma TV, carro, sofá, etc., do morador, exibindo, até mesmo, bilhete e telefone do condômino para verificação; ● Como morador do próprio condomínio (normalmente adolescente) ou mesmo como empregado; ● Passando-se por amigo de moradores ou ainda dizendo-se vizinho a fim de acompanhar o condômino e enganar o porteiro; ● Apresentando-se como entregador de cesta de café da manhã, flores, encomendas em geral, bem como entregador de jornais e revistas durante a noite; ● Apresentando-se como Funcionários Públicos, querendo forçar a entrada no condomínio sem se identificar; ● Por ação violenta de surpresa, com quadrilhas especializadas em tais delitos.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas