O Combate
versão impressa

JULHO 2019

 

O presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, e o advogado João Batista de Medeiros, integrante do Departamento Jurídico da entidade, na sede da Procuradoria Regional do Trabalho de Juiz de Fora, no dia 23 de julho. O MINASPETRO (Sindicato patronal) não compareceu à audiência designada pelo Procurador José Reis Santos Carvalho.

O Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região - SINTRAPOSTO-MG resolveu pedir a mediação do Ministério Público do Trabalho de Juiz de Fora na negociação coletiva referente à data-base de 1º de novembro de 2018 dos empregados dos postos de combustíveis desta Cidade e da Região em mais uma tentativa de acordo para celebração da nova Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria.

Mas o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais - MINASPETRO rejeitou a mediação do MPT e nem sequer compareceu às duas audiências designadas pela Procuradoria Regional, o que levou o presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, a dizer com revolta e indignação: “Esperávamos que o Sindicato patronal comparecesse às audiências pelo menos em respeito ao Ministério Público, mas a entidade patronal não se dignou a comparecer nem mesmo em respeito e consideração ao MP”.

Página 2





 
 
 
 
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT comunicação visual