Janeiro de 2012
pag.2
 
 
SINDICATO CONVOCA FRENTISTAS PARA OPERAÇÃO-TARTARUGA E ATÉ PARALISAÇÃO

     O Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região - SINTRAPOSTO-MG postou em seu blog (sintrapostomg.blogspot.com) e está distribuindo nos postos de combustíveis da Cidade e da Região um boletim que contém um manifesto da entidade (veja abaixo) convocando os frentistas para a realização de uma operação-tartaruga e até mesmo a paralisação das atividades.
    A data-base, ou seja, a ocasião de reajuste salarial e renovação da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria é 1º de novembro. Decorridos, portanto, mais de dois meses da sua data-base, os trabalhadores dos postos de gasolina continuam em plena campanha salarial. O SINTRAPOSTO e o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (MINASPETRO) ainda não chegaram a um acordo para a celebração da nova Convenção
Coletiva de Trabalho da categoria. Eles estão se divergindo sobre o índice de reajuste a ser aplicado aos salários dos trabalhadores, ao valor da cesta básica de alimentos e à PLR – Participação nos Lucros e Resultados das empresas. O presidente do SINTRAPOSTO, Paulo Guizellini, considera a proposta do MINASPETRO (Sindicato patronal) “muito baixa e incapaz de atender às mínimas necessidades dos frentistas”.
    Durante a terceira rodada de negociação, realizada na sede do MINASPETRO, em Belo Horizonte, no dia 15 de dezembro, os dois Sindicatos, diante da dificuldade de acordo, acharam por bem marcar nova reunião. Os representantes do Sindicato dos frentistas queriam que a nova rodada de negociação fosse agendada para o dia mais próximo possível, mas o MINASPETRO disse que só podia se reunir novamente com o Sindicato dos trabalhadores no dia 1º de fevereiro de 2012. Diante da insistência do Sindicato trabalhista em realizar a próxima rodada de negociação o mais rápido possível, o Sindicato patronal acabou concordando em antecipar a data, mas antecipou só um pouquinho, marcando a próxima reunião para o dia 27 de janeiro de 2012.

Atenção, companheiros trabalhadores em Postos de Combustíveis (FRENTISTAS E OUTROS):

     Já tivemos o terceiro encontro de negociação com o Sindicato patronal (MINASPETRO), e ainda não houve nenhuma proposta patronal que pudéssemos aceitar para o fechamento do acordo salarial.
     Como vocês sabem, a nossa data-base é 1º de novembro, mas entregamos a pauta de reivindicações dos trabalhadores ao Sindicato patronal já no mês de setembro, ou seja, com dois meses de antecedência, para que o Sindicato patronal tivesse bastante tempo para examinar a nossa proposta. Mas ele marcou a primeira rodada de negociação somente para o dia 10 de novembro. Depois, marcou a segunda rodada de negociação para o dia 29 de novembro. Posteriormente, agendou a terceira rodada de negociação para o dia 15 de dezembro.
     E como ainda não houve possibilidade de fecharmos acordo nessa terceira reunião, porque a proposta patronal é muito baixa, ou seja, apenas R$ 630,00 a partir de 1º de novembro de 2011, a demora do Sindicato patronal em marcar a próxima rodada de negociação somente para o dia 27 de janeiro de 2012 mostra para nós, frentistas, que quanto mais lucros os donos de postos têm, mais trabalhadores são explorados pelo arrocho salarial praticado pelos patrões e pela demora
das negociações.
     Diante dessa demora do Sindicato patronal em voltar a negociar com os trabalhadores, achamos que só nos restam os seguintes caminhos: 1) a paralisação das atividades dos trabalhadores nos postos de combustíveis; 2) operação-tartaruga, com os funcionários dos postos
trabalhando bem devagar, quase parando.

       Para isso, precisamos de uma grande reunião com os trabalhadores. Pois a definição é de vocês, companheiros. Venham ao Sindicato! Precisamos reagir, pois os donos de postos estão ficando cada vez mais ricos enquanto os trabalhadores estão com os salários cada vez mais arrochados.

CHEGA DE ARROCHO SALARIAL! - BASTA DE EXPLORAÇÃO!
SINDICALISMO É COISA SÉRIA!

SINDICATO DOS TRABALHADORES EM POSTOS DE SERVIÇOS DE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS DE PETRÓLEO DE JUIZ DE FORA E REGIÃO – SINTRAPOSTO-MG

A Diretoria

 

Boletim do SINTRAPOSTO-MG
convocando os frentistas para a realização de uma operação-tartaruga e até mesmo a paralisação das atividades.

Dirigentes do SINTRAPOSTO visitam bases e veem entrosamento entre frentistas e Sindicato

O presidente do SINTRAPOSTO, Paulo Guizellini (à direita), ao lado de frentistas em Barbacena.

     O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região - SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, esteve recentemente em vários postos de gasolina localizados no interior de Minas Gerais, em cidades da base territorial do Sindicato.
    Ele estava acompanhado de outros dois diretores da entidade, Mauro de Oliveira Ruela e Luiz Geraldo Martinho, além
do advogado João Batista de Medeiros, que integra o Departamento Jurídico do SINTRAPOSTO-MG.
    O objetivo da visita às bases foi o de informar pessoalmente aos frentistas o andamento da campanha salarial da categoria e também orientá-los acerca de seus direitos trabalhistas.
    Distribuindo exemplares do jornal "O Combate" contendo notícias de interesse dos frentistas, os dirigentes sindicais e o advogado conversaram com muitos empregados de postos de combustíveis sobre a constante luta da entidade por melhorias salariais e melhores condições de trabalho para a classe.
    Em Barbacena, por exemplo, os sindicalistas visitaram muitos postos de combustíveis, inclusive três do mesmo grupo econômico da empresa APEC Veículos S/A. É que o Sindicato recentemente conseguiu resolver no âmbito do Ministério do Trabalho e Emprego um problema que vinha prejudicando cerca de 60 empregados desses três postos e, sendo assim, a direção da entidade achou por bem conferir pessoalmente, no local de serviço desses trabalhadores, se realmente as empresas estavam cumprindo o compromisso assumido por elas no Ministério do Trabalho. E o Sindicato
constatou que de fato esses trabalhadores estão recebendo os seus direitos trabalhistas que tinham sido sonegados
por essas empresas.
    Os dirigentes e o advogado do Sindicato fizeram um trabalho de orientação e esclarecimento aos frentistas, colocando-os a par de seus direitos, dissipando suas dúvidas e lhes informando sobre as negociações realizadas com o MINASPETRO (Sindicato patronal) no sentido de conseguir reajuste salarial, PLR (Participação nos Lucros e Resultados
da empresa), cesta básica e outros benefícios para a categoria.
    Guizellini ressaltou que "em quase todos os postos visitados pelo Sindicato, os trabalhadores se mostraram muito revoltados com o arrocho salarial causado pelos donos de postos de gasolina". Isso, segundo ele, tem levado um grande
número de frentistas a preferir trabalhar em outros setores, como, por exemplo, o comércio e a construção civil. Além disso, ainda de acordo com o presidente do SINTRAPOSTO-MG, muitos frentistas se revelaram indignados também com a demora do processo de negociação salarial, já que a data-base da categoria é 1º de novembro e até hoje ainda não foi fechado o tão esperado acordo salarial. “Muitos frentistas, indignados com esta demora causada pelo Sindicato patronal e também com esse achatamento salarial, já falavam até em paralisação de suas atividades" - ressaltou o sindicalista.
    Após trocar ideias com os trabalhadores, esclarecer suas dúvidas e ouvir suas reivindicações, bem como "fazer coro com suas revoltas e indignações causadas pelas atitudes da classe patronal contra os trabalhadores", Guizellini se mostrou muito satisfeito com a disposição da categoria em apoiar a luta do Sindicato. "Esse trabalho de constante visitação às bases, levando a direção da entidade a manter contato pessoal, direto e permanente com os trabalhadores, é muito importante para nós e para eles também, pois propicia um entrosamento cada vez maior entre a direção do Sindicato e a categoria" - disse o sindicalista.
    Em seguida, ele acrescentou: “Já que muitos trabalhadores não podem ir ao Sindicato, a entidade vai até o local de serviço desses trabalhadores, levando informações e orientações e buscando a união de todos em torno de um objetivo comum: a conquista de mais benefícios para toda a nossa classe".
    Segundo Guizellini, esse trabalho, que vem sendo realizado há muitos anos pelo Sindicato, "tem gerado bons frutos, fortalecendo a entidade e a categoria".

2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas