Janeiro de 2013
página 2
 
 
MINASPETRO propõe
só 1,5% de reajuste na data-base
Representantes dos frentistas participando da quarta rodada de negociação com a Comissão Negociadora do MINASPETRO, na sede do Sindicato patronal, em Belo Horizonte, no dia 24 de janeiro.

     Aconteceu no dia 24 de janeiro a quarta rodada de negociação dos representantes dos empregados nos postos de combustíveis de Minas Gerais, entre os quais o Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região – SINTRAPOSTO-MG, com o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (MINASPETRO), objetivando a celebração de Termo Aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho da categoria para fixação dos novos valores do salário-base da classe, da cesta básica de alimentos e da PLR (Participação nos Lucros e Resultados) das empresas, além do prazo de vigência do chamado “salário de ingresso”.

   Após duas horas e meia de negociação, os representantes dos trabalhadores e os da classe patronal novamente não chegaram a um acordo sobre o índice de reajuste a ser aplicado aos salários dos trabalhadores, nem quanto ao novo valor da cesta básica e da PLR. Assim, continua indefinida a campanha salarial dos frentistas de Minas Gerais.

Muitos retrocessos em 9 horas de negociação

   Iniciado às 16h10min, o encontro terminou às 18h40min e ocorreu na sede do Sindicato patronal, em Belo Horizonte, mesmo local em que foram realizadas as três reuniões anteriores, quando também não houve acordo após duas horas de negociação em cada uma das duas primeiras reuniões e mais duas horas e meia de negociação no terceiro encontro. Já houve, portanto, ao todo, somando-se as quatro reuniões, nove horas de negociação direta entre os representantes dos trabalhadores e os da classe patronal, tendo havido mais retrocessos do que avanços da parte do MINASPETRO.

    Na quarta reunião, o Sindicato patronal propôs reajuste salarial de apenas 1,5% na data-base da categoria (1º de novembro), o que faria o salário-base da classe passar de R$ 670,00 para R$ R$ 680,05 a partir de 1º de novembro de 2012. Mas como se recorda, na primeira rodada de negociação, no dia 20 de novembro do ano passado, o MINASPETRO já havia oferecido reajuste de 4,94% nos salários de novembro e dezembro de 2012, o que faria o salário-base da categoria passar para R$ 703,09. “Ora, se nós, representantes dos trabalhadores, não aceitamos a primeira proposta patronal, que reajustava em 4,94% os salários de novembro e dezembro de 2012, porque consideramos que esse índice é muito baixo, como poderíamos aceitar apenas 1,5% de reajuste salarial na data-base da categoria?” – indaga o presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, acrescentando em seguida: “Ora, não faz sentido e não tem cabimento uma das partes negociadoras regredir durante o andamento de um processo de negociação quando o certo e o lógico é avançar, pois é para frente que as pessoas andam, e não para trás, como caranguejo. Por isso, temos que afirmar e reafirmar que até a quarta rodada de negociação, o Sindicato patronal ainda não apresentou nenhuma proposta digna de aceitação”.

Crescendo como rabo de burro

    Para Guizellini, as propostas patronais durante as quatro reuniões “foram crescendo como rabo de burro, ou seja, crescendo para baixo, pois na primeira rodada de negociação, o Sindicato patronal apresentou proposta ‘menos pior’ do que as propostas apresentadas por ele nas reuniões seguintes, sendo que a Comissão Negociadora do MINASPETRO só foi piorando as suas propostas a cada reunião, em vez de melhorá-las, como o bom-senso e a lógica recomendam. E o pior é que o Sindicato patronal ainda teve a petulância de mandar uma circular para os postos de combustíveis nos chamando de radicais. Ora, se existe algum radicalismo nesse processo de negociação, só pode ser da parte do MINASPETRO, pois é ele que está, pelo menos até agora, se mantendo irredutível em sua proposta de achatamento salarial, piorando suas propostas a cada rodada de negociação. Mas acreditamos que isso não vai se repetir”.

    Em seguida, o sindicalista acrescentou: “Achamos que é o cúmulo do absurdo o Sindicato patronal, após oferecer 4,94% na primeira rodada de negociação, ter a audácia de propor na quarta reunião apenas 1,5% de reajuste salarial na data-base da categoria. É verdade que o MINASPETRO ofereceu mais 5,5% para 2013 se aceitássemos 1,5% de reajuste na data-base, mas esta proposta também não atende às mínimas necessidades dos frentistas e representa mais arrocho salarial, razão pela qual foi veementemente rejeitada por todos nós, representantes dos trabalhadores”.

   Quase no final da reunião, um dos representantes da Federação Nacional dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo - FENEPOSPETRO (que representa os frentistas onde não há base territorial de Sindicato da categoria), Hosano Félix da Silva, chegou a afirmar que acabara de falar pelo celular com o presidente da entidade, Antônio Porcino Sobrinho, e este lhe havia determinado dizer, antes do término da reunião, que a FENEPOSPETRO não aceitava a proposta patronal apresentada na quarta rodada e, diante da recusa do Sindicato patronal em apresentar proposta digna de aceitação, considerava encerrado o processo de negociação e estava disposta a suscitar dissídio coletivo no Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, sediado em Belo Horizonte, na tentativa de conseguir um reajuste salarial justo e digno para a categoria. Mas pouco depois, outro representante da FENEPOSPETRO, Eusébio Luiz Pinto Neto, afirmou que também acabara de falar pelo celular com Porcino e este lhe havia recomendado dizer que a Federação resolveu continuar a participar das negociações com o MINASPETRO.

    Diante da dificuldade de acordo, as entidades marcaram nova reunião para o próximo dia 31 de janeiro, desta vez em Juiz de Fora.

    Assim, além do SINTRAPOSTO-MG, que representa os frentistas de Juiz de Fora (onde fica sua sede) e da Região, estarão participando da quinta rodada de negociação com o MINASPETRO, nesta Cidade, no fim deste mês, todas as entidades que representam os demais empregados dos postos de combustíveis neste Estado, as quais estão atuando em conjunto, com pauta unificada, e são as seguintes: FENEPOSPETRO; Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Belo Horizonte e Região; Sindicato dos Empregados em Postos de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Uberaba e Região; e Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo, Lava-Rápido e Troca de Óleo do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba.

2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas