Janeiro 2017
página 4
 
 
Campanha salarial dos trabalhadores dos condomínios ainda está indefinida
Sindicatos continuam se divergindo sobre índice de reajuste salarial

O diretor e o presidente do SINDEDIF-JF, respectivamente Francisco Passos e Luiz José da Silva (em pé); a presidente e o advogado do Sindicato patronal, respectivamente Sheila da Costa e Cristiano Tostes, durante a 3ª reunião, no dia 23 de janeiro.

     A campanha salarial dos empregados dos condomínios de Juiz de Fora já teve a sua quarta rodada de negociação. A data-base (ocasião de reajuste salarial e renovação da Convenção Coletiva de Trabalho) da categoria é 1º de janeiro.   

     O Sindicato que representa esses trabalhadores, ou seja, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e nas Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Comerciais e Residenciais de Juiz de Fora - SINDEDIF-JF, vem se movimentando com o objetivo de conseguir junto ao Sindicato patronal um bom acordo salarial para esta importante categoria profissional.

     No dia 23 de janeiro, na sede do SINDEDIF-JF, aconteceu a terceira reunião da negociação coletiva de 2017 entre a entidade trabalhista e o Sindicato dos Condomínios de Juiz de Fora e Zona da Mata Mineira.

     O SINDEDIF se fez representar pelo seu presidente, Luiz José da Silva; pelo seu diretor Francisco de Assis dos Santos Passos e pelo advogado João Batista de Medeiros, integrante do Departamento Jurídico da entidade. E o Sindicato patronal estava representado por sua presidente, Sheila Rakauskas Pereira da Costa, e pelo advogado Cristiano Tostes.

     Os representantes dos trabalhadores e os da classe patronal, durante cerca de uma hora e meia, debateram acaloradamente diversos assuntos de interesse dos empregados e empregadores dos condomínios da Cidade, mas não chegaram a um acordo para celebração da nova Convenção Coletiva de Trabalho da categoria.   

     Foi marcada, então, outra reunião para o dia 25 de janeiro, realizada também na sede do SINDEDIF-JF, mas novamente, depois de muitos debates durante cerca de uma hora e meia, os representantes dos trabalhadores e os da classe patronal continuaram se divergindo sobre o índice de reajuste a ser aplicado aos salários dos trabalhadores a partir de 1º de janeiro de 2017.

     Assim, a campanha salarial da categoria, iniciada em outubro do ano passado, quando os trabalhadores realizaram assembleia geral, continua indefinida. Mas nova reunião será realizada nos próximos dias.


Presidente do SINDEDIF-JF
faz aniversário

    Faz aniversário no dia 30 de janeiro o combativo sindicalista Luiz José da Silva, presidente do Sindicato dos Empregados em Edifícios e nas Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Comerciais e Residenciais de Juiz de Fora - SINDEDIF-JF.
      Ao líder dos trabalhadores dos condomínios, “shoppings centers” e administradoras de imóveis desta Cidade, os parabéns do jornal “O Combate”, com votos de muitas felicidades e muitos anos de vida.
    


Sindicato busca providências contra assaltos a postos de combustíveis

     O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região – SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, informou que a entidade vai enviar ofício ao titular da Secretaria de Segurança Urbana e Cidadania (Sesuc) de Juiz de Fora, o juiz aposentado José Armando Pinheiro da Silveira, pedindo-lhe uma audiência para tratar da questão dos diversos assaltos que continuam a ocorrer em postos de combustíveis de Juiz de Fora.

     Segundo Guizellini, “o Sindicato já fez e vai continuar a fazer tudo o que puder para a preservação da integridade física e psicológica dos frentistas, buscando e cobrando providências das autoridades e dos donos dos postos de combustíveis para que os frentistas possam trabalhar em segurança”.

     O sindicalista se mostrou muito preocupado com a integridade física e psicológica de todos os frentistas, mas principalmente daqueles que trabalham à noite, quando os assaltos são mais frequentes. “Estou manifestando, mais uma vez, a minha enorme preocupação com a ocorrência desse grande número de assaltos a postos de gasolina na Cidade, pondo em risco a saúde e a vida dos trabalhadores, bem como dos transeuntes e clientes dos postos, principalmente à noite” – assinalou.

     Guizellini ressaltou que os casos de transtornos psíquicos ou agressões físicas a frentistas, em decorrência de assalto a posto de combustíveis, ficando comprovado o nexo causal (relação entre causa e efeito), são considerados acidentes de trabalho, sendo obrigatória a emissão de CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho).

     O sindicalista lembra que o Departamento Jurídico do SINTRAPOSTO está à disposição dos trabalhadores que tenham sido vítimas de assalto nos postos de gasolina em que trabalham ou trabalhavam. “Caso algum frentista tenha sido alvo de ladrões durante o seu trabalho, pode se dirigir à sede do Sindicato, na Rua Halfeld, nº 414, sala 609, Centro, Juiz de Fora, para ajuizamento de ação destinada a pleitear indenizações por danos morais, materiais e estéticos. O nosso Departamento Jurídico está à disposição de todos os trabalhadores” – informou Guizellini.


2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas