Julho de 2011
pag.3
 
SINTRAPOSTO já está recebendo sugestões dos trabalhadores
para campanha salarial

As ideias, propostas e sugestões que os trabalhadores apresentarem ao Sindicato serão incluídas na minuta a ser encaminhada ao MINASPETRO por ocasião da negociação coletiva que deverá começar em novembro, para renovação da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. A foto do Arquivo do “O Combate” mostra uma rodada de negociação entre o MINASPETRO e o SINTRAPOSTO por ocasião da data-base do ano passado.

Como a data-base (ocasião de reajuste salarial e renovação da Convenção Coletiva de Trabalho) dos empregados dos postos de gasolina de Minas Gerais é 1º de novembro, não há dúvida de que ela ainda está um pouco distante. Mas o Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região - SINTRAPOSTO-MG, que representa os frentistas desta Cidade e desta Região, já está realizando movimentações e articulações com vistas à campanha salarial dessa importante categoria profissional. Segundo o presidente da entidade, Paulo Guizellini, o SINTRAPOSTO já está recebendo propostas e sugestões dos trabalhadores para a campanha salarial da classe. “Os companheiros trabalhadores já podem e devem apresentar na sede do Sindicato ideias para a nossa luta por melhorias salariais e melhores condições de vida e de trabalho para a nossa laboriosa categoria profissional” - destaca o sindicalista. O SINTRAPOSTO fica na Rua Halfeld, 414, sala 609, Centro, Juiz de Fora (MG). De acordo com Guizellini, as ideias, propostas e sugestões que forem apresentadas ao Sindicato até a realização da assembleia geral da categoria serão estudadas pela direção da entidade e aproveitadas quando da elaboração da pauta de reivindicações a ser examinada pela assembleia no momento oportuno. Se aprovadas pela assembleia, elas serão incluídas na minuta a ser encaminhada ao Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (MINASPETRO) por ocasião da negociação coletiva, que deverá começar em novembro, para renovação da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. E se forem aprovadas também durante o processo negocial a ser realizado entre o SINTRAPOSTO e o Sindicato patronal, as ideias ora apresentadas pelos trabalhadores serão inseridas na Convenção Coletiva de Trabalho da classe, adquirindo, assim, força de lei. Mas isso só a partir do momento em que for celebrada a nova Convenção, quando então os trabalhadores dos postos de combustíveis terão novos salários e outros benefícios que deverão ser conquistados pelo SINTRAPOSTO na mesa de negociações com a entidade patronal.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Enfim, Sindicato consegue fechar acordo e conquista aumento salarial e outros benefícios para os trabalhadores da Construção

   Após marchas e contramarchas, avanços e retrocessos, finalmente o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Juiz de Fora conseguiu fechar acordo com o Sindicato patronal (Sindicato das Indústrias da Construção de Juiz de Fora), celebrando assim a nova Convenção Coletiva de Trabalho da categoria, que reajustou em 11% os salários da classe.
   Com esse reajuste salarial, que tem efeito retroativo a 1º de abril (data-base da categoria), os trabalhadores tiveram a reposição integral de todas as perdas salariais decorrentes da inflação e um significativo ganho real.
   Além do aumento salarial, os empregadores da Construção em Juiz de Fora ficaram obrigados a pagar a todos os seus empregados uma gama de outros benefícios, tais como auxílio escolar, auxílio-alimentação, etc.
   O Sindicato trabalhista entregou a pauta de reivindicações ao Sindicato patronal no dia 22 de março. Enfim, Sindicato consegue fechar acordo e conquista aumento salarial e outros benefícios para os trabalhadores da Construção Foram realizadas, então, quatro rodadas de negociação direta, sem mediador, com a entidade patronal, que na reunião realizada no dia 8 de maio apresentou uma contraproposta que foi imediatamente levada à apreciação dos trabalhadores reunidos em Assembleia Geral.
   Tal contraproposta patronal, entretanto, foi rejeitada pela Assembleia realizada em 15 de junho, ocasião em que os trabalhadores da Construção deliberaram sobre a possibilidade de deflagração de greve.
   No dia 22 de junho, com os trabalhadores da Construção em estado de greve, o Sindicato trabalhista voltou a se reunir com a entidade patronal. Dessa vez, a reunião foi realizada na sede da Gerência (ex-Subdelegacia) Regional do Trabalho e Emprego em Juiz de Fora (GRTE/JF), pois foi mediada pelo Ministério do Trabalho e Emprego.
   O mediador José Tadeu de Medeiros Lima, chefe do Setor de Relações do Trabalho da GRTE/JF, dirigiu a reunião, que foi a quinta rodada de negociação. Na ocasião, o Sindicato patronal não apresentou nova contraproposta, mas o mediador, diante do impasse surgido, formulou uma proposta para a conciliação e o fechamento do acordo.
   Levada à apreciação dos trabalhadores da Construção em Assembleia Geral da categoria, a proposta do mediador do Ministério do Trabalho e Emprego foi aprovada. Assim, foi fechado acordo e celebrada a nova Convenção Coletiva de Trabalho da classe.
   Veja a nova tabela salarial dos trabalhadores da Construção:

TABELA SALARIAL
PISOS SALARIAIS
O SINDICATO conseguiu para os trabalhadores da Construção os seguintes valores de PISOS SALARIAIS, a partir de 01/04/2011:
a) PROFISSIONAL.............................. R$ 855,00
b) ELETRICISTA................................. R$ 885,00
c) SERVENTE..................................... R$ 600,00
d) VIGIA............................................ R$ 627,00
e) OPERADOR DE GUINCHO.............. R$ 627,00

  Para os empregados tarefeiros será assegurado um ganho fixo mensal, que no mínimo corresponda ao salário mínimo.
  Aos empregados que recebem remuneração por produção ou por tarefa, é assegurado o recebimento do salário correspondente ao do dia normal de trabalho quando, por culpa do empregador, for impossível a realização da tarefa ajustada.

2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas