Nova onda de assaltos a postos - SINTRAPOSTO voltar a cobrar do MINASPETRO medidas preventivas de segurança - Jornal O Combate
   
Junho 2018
página 3
 
 
Nova onda de assaltos a postos

O circuito interno do posto de combustíveis situado na Rua Benjamin Constant (imagem cedida pela PM) mostra que, após a rendição de um dos frentistas, um dos ladrões tentou atirar, mas felizmente a arma falhou.

    Juiz de Fora voltou a ser atormentada por nova onda de assaltos a postos de combustíveis. Só nos primeiros 10 dias deste mês, ocorreram quatro roubos a esses estabelecimentos. No primeiro semestre deste ano, a Polícia Militar (PM) já tinha registrado 17 assaltos a postos na Cidade.

     Duas ocorrências desse tipo foram registradas pela PM no dia 10 de julho. Uma delas se deu em plena luz do dia e em pleno Centro da Cidade. Foi uma ação muito atrevida de dois bandidos, um deles armado de revólver. Eles chegaram a pé a um posto localizado na Rua Benjamin Constant em um horário de muito movimento, por volta das 15h. Um dos ladrões sacou a arma e rendeu o frentista-caixa, de 48 anos, exigindo o dinheiro do caixa. O funcionário foi obrigado a entregar ao bandido cerca de R$ 500,00.

     O estabelecimento possui sistema de monitoramento interno, sendo que as câmeras de segurança registraram o ocorrido. O vídeo mostra que a ação criminosa durou apenas alguns segundos, mas foi percebida por motoristas que esperavam atendimento para abastecimento de seus veículos. Muitos deles deixaram rapidamente o local.

     Durante a fuga dos ladrões logo após a prática do crime, empregados do posto perseguiram a dupla criminosa. Um dos bandidos ainda tentou efetuar três disparos contra os trabalhadores, mas felizmente a arma falhou nas três tentativas. Os larápios conseguiram fugir em um veículo que estava estacionado na Rua Deputado Oliveira Souza, indo em direção à Avenida Brasil. A PM fez rastreamento, mas não conseguiu localizá-los.

     No mesmo dia, por volta de 5h20, um criminoso armado com faca rendeu um frentista, de 30 anos de idade, em um posto de combustíveis situado na Rua Doutor José Eutrópio, no Bairro Santa Terezinha, Zona Nordeste. O frentista contou que o bandido, sem nada dizer, foi em sua direção empunhando a faca e, em seguida, pegou uma cadeira de plástico e lhe aplicou um golpe na cabeça. O trabalhador caiu. O larápio, então, aproveitou a queda do frentista e lhe roubou a quantia de R$ 150 que estava no bolso de sua camisa, fugindo em seguida sem deixar qualquer pista. Segundo a PM, a vítima disse que estava sentindo dores na perna e na cabeça, mas não quis atendimento médico.

     No dia anterior, por volta de 21h, dois ladrões já haviam assaltado um posto de combustíveis na Avenida Juscelino Kubitschek, na altura do Bairro Cidade do Sol, na Zona Norte. Os criminosos (um deles com arma de fogo em punho) renderam dois frentistas, de 30 e 41 anos de idade, e roubaram R$ 438 em dinheiro. Em seguida, fugiram a pé. A PM realizou buscas nas proximidades, mas a dupla não foi localizada.

 

SINTRAPOSTO voltar a cobrar do MINASPETRO medidas preventivas de segurança

     Muito preocupado com a integridade física dos frentistas, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região - SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, voltou a cobrar do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (MINASPETRO) a adoção de medidas preventivas de segurança nos postos para inibir assaltos a esses estabelecimentos em Juiz de Fora.

      Guizellini ressaltou que enquanto esses roubos continuam a ocorrer constantemente na Cidade, pondo em risco a integridade física de frentistas, transeuntes e clientes dos postos, o Sindicato patronal não toma medidas concretas. “Assim, a integridade física desse pessoal vai continuar desgraçadamente ameaçada” – assinalou o sindicalista.

     Segundo Guizellini, o SINTRAPOSTO já fez e continua fazendo a sua parte. “Já promovemos diversas reuniões com o Sindicato patronal e com representantes da Polícia Militar, Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal para abordagem do assunto, no Ministério do Trabalho e na Câmara Municipal de Juiz de Fora. Já conseguimos junto ao Legislativo Municipal até uma lei que proíbe o uso de capacete nos postos de combustíveis desta Cidade para inibir assaltos a esses estabelecimentos” – ressaltou o sindicalista.

     Além disso, o SINTRAPOSTO já elaborou e encaminhou ao MINASPETRO uma minuta propondo a adoção de várias medidas preventivas de segurança, como, por exemplo, a instalação de câmeras de circuito interno de TV em todos os postos de combustíveis de Juiz de Fora. “No encontro quadrimestral que tivemos com o MINASPETRO no dia 7 de julho de 2017, voltamos a propor medidas de segurança contra os assaltos aos postos de Juiz de Fora, mas a resposta do Sindicato patronal mais uma vez foi negativa” – frisou Guizellini.

     Na tentativa de reduzir o número de ocorrências, a PM implantou uma série de medidas, tais como a criação de patrulhas preventivas e de postos de apoio e de parada para as viaturas.

     Guizellini reconheceu que as medidas adotadas pela PM têm contribuído para a diminuição das ocorrências. “Todo o nosso esforço e as medidas adotadas pela PM no combate a esses crimes não foram em vão, pois tivemos uma redução do número de assaltos a postos registrados em Juiz de Fora nos últimos 12 meses” – afirmou, acrescentando em seguida: “Mas é preciso que novas providências sejam tomadas para conter o avanço dessa nova onda de assaltos a postos de gasolina na Cidade”.

“Frentista não pode enfrentar, perseguir ou identificar bandido” – diz sindicalista

     Sobre o fato de empregados do posto de combustíveis localizado na Rua Benjamin Constant terem perseguido os ladrões logo após o assalto ao estabelecimento, no dia 10 de julho, sendo que um dos bandidos ainda tentou efetuar três disparos contra os trabalhadores, mas felizmente a arma falhou nas três tentativas, o presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, afirmou que o Sindicato sempre orienta o trabalhador a não reagir a assalto e lembrou que a orientação da Polícia Militar nesses casos também é exatamente esta. “O frentista deve sempre ser orientado a não reagir quando for abordado por ladrões, pois a reação a assalto é sempre muito perigosa. Além disso, o frentista não pode e não deve perseguir e nem identificar bandido. Não faz parte das funções do frentista enfrentar, perseguir ou identificar bandido. Tudo isso faz parte das funções da Polícia, que é treinada para tanto” – salientou o sindicalista.

     Em seguida, ele acrescentou: “No caso ocorrido no dia 10 de julho, felizmente, por milagre, a arma falhou, mas em outro caso o trabalhador pode não ter a mesma sorte. Por isso, o trabalhador não deve arriscar a própria vida por um patrimônio que nem é dele, sendo que o próprio dono do patrimônio certamente não faria isso”.

2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas