Junho 2019
página 2
 
 
Campanha salarial dos frentistas
Sindicato afirma que demora da negociação prejudica empregados e empregadores

À direita, o presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, e o advogado João Batista de Medeiros, integrante do Departamento Jurídico da entidade; à esquerda, a comissão negociadora do MINASPETRO, participando da 7ª reunião, na sede do Sindicato patronal, em BH, no dia 25 de junho.

Após conversações telefônicas entre o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região – SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, e integrantes da comissão negociadora do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais - MINASPETRO, nova reunião entre os dois Sindicatos foi agendada e realizada no dia 25 de junho de 2019, na sede da entidade patronal, em Belo Horizonte. O encontro representou a sétima e - até agora - última rodada de negociação da data-base de 2018.

Ao se dirigir para a reunião agendada pelo MINASPETRO, o pessoal do SINTRAPOSTO-MG alimentava a esperança de que “os membros da comissão negociadora do Sindicato patronal apresentassem na mesa de negociação uma proposta digna de aceitação para fechamento de acordo, demonstrando, assim, que haviam se sensibilizado não só para as necessidades financeiras dos frentistas como também para a necessidade de fechamento urgente de acordo para celebração da nova Convenção Coletiva de Trabalho da categoria para que as empresas do setor possam trabalhar em paz, sem terem que ficar se preocupando com essa indefinição da campanha salarial que tanto atormenta a todos”, como afirmou o presidente do Sindicato trabalhista.

Mas, durante a reunião, a comissão negociadora do MINASPETRO novamente se limitou a apresentar a mesma proposta colocada na mesa de negociação durante a audiência de mediação e conciliação realizada no dia 19 de fevereiro de 2019, no Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-MG), no caso do dissídio coletivo suscitado pelo Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo, Lava-Rápido e Troca de Óleo de Belo Horizonte e Região – SINPOSPETRO-BH contra o MINASPETRO.

Os representantes dos trabalhadores rejeitaram de novo a contraproposta patronal por entenderem que, como salientou Guizellini, “essa contraproposta do MINASPETRO apresentada nessas rodadas de negociação não atende às necessidades dos frentistas”. Em seguida, ele acrescentou: “Aliás, em sete reuniões realizadas ao longo de sete meses de negociação direta, o Sindicato patronal ainda não apresentou na mesa de negociações nenhuma proposta que atenda às necessidades e aspirações dos trabalhadores, razão pela qual não foi fechado ainda nenhum acordo”.

Diante da dificuldade de acordo, após quase duas horas de conversação, a reunião foi encerrada novamente sem uma definição.

“Demora da negociação atrapalha o planejamento das empresas e até pode comprometer a saúde financeira delas” – diz Guizellini

Segundo o presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, “é de se estranhar que a comissão negociadora do Sindicato patronal tenha agendado nova reunião apenas para dizer que continuava irredutível e intransigente em sua posição radical, mantendo na mesa de negociação a mesma contraproposta patronal já apresentada e rejeitada nas reuniões anteriores”.

Para Guizellini, “essa atitude da comissão negociadora do MINASPETRO, agendando reunião inútil e imprestável, merece o repúdio não só dos trabalhadores como também de todos os donos dos postos de combustíveis de Minas Gerais que pagam suas contribuições ao Sindicato patronal para o MINASPETRO negociar para eles e não para ficar tumultuando, emperrando e atrasando o processo de negociação, haja vista que a demora da negociação prejudica tanto os empregados quanto os empregadores, talvez até mais os empregadores porque esse atraso atrapalha o planejamento das empresas e até pode comprometer a saúde financeira delas”.

Como se recorda, a campanha salarial dos empregados dos postos de combustíveis, lojas de conveniência, lava-rápidos, estacionamentos e garagens de Juiz de Fora e Região começou no dia 12 de setembro de 2018, quando foi realizada a assembleia geral da categoria que aprovou a pauta de reivindicações encaminhada em outubro ao Sindicato patronal pelo SINTRAPOSTO-MG. E a negociação coletiva, referente à data-base de 1º de novembro de 2018, foi iniciada no dia 28 de novembro do ano passado, quando foi realizada a primeira reunião entre o SINTRAPOSTO-MG e o MINASPETRO. Até hoje, já houve sete rodadas de negociação.

Segundo Guizellini, “novas providências serão tomadas pelo SINTRAPOSTO-MG nos próximos dias objetivando o encerramento da campanha salarial da categoria”.


2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas