Maio de 2012
página 4
 
 
SINDEDIF-JF - Sindicato dos Empregados em Edifícios e nas Empresas de Compra,
Venda, Locação e Administração de Imóveis Comerciais e Residenciais de Juiz de Fora

--------------------------------------------------------------------------------------------------
Av. Getúlio Vargas, nº 828, sala 603 - Juiz de Fora - MG - Telefone: 3215-9461
Trabalhadores dos condomínios residenciais
ganham R$ 654,94 a mais
Por que os trabalhadores dos condomínios ganham mais do que os trabalhadores que não têm Sindicato? Exatamente por isto: porque os trabalhadores dos condomínios têm Sindicato

Reunião de negociação coletiva entre o SINDEDIF-JF e o Sindicato dos Condomínios de Juiz de Fora e Zona da Mata Mineira, no início deste ano, quando foi celebrada a atual Convenção Coletiva de Trabalho dos funcionários dos condomínios, “shoppings centers”, administradoras de imóveis e administradoras de condomínios de Juiz de Fora, a qual reajustou os salários da categoria. Da esquerda para a direita, representando o Sindicato patronal, o advogado Rafael de Oliveira, a advogada Renata Vasconcellos (a Musa do Tupi), a presidente Miriam Garcia Vasconcellos (sentada) e a contadora Neuza Maria do Carmo Silva. Representando o SINDEDIF-JF, o presidente Luiz José da Silva e o advogado João Batista de Medeiros. (Foto: Arquivo O COMBATE)

     Os trabalhadores não organizados em Sindicato recebem apenas o salário mínimo vigente no Brasil, hoje fixado em
R$ 622,00.
     Já os empregados que têm Sindicato, geralmente, recebem mais do que o salário mínimo. Por quê? Justamente por isto: porque eles têm Sindicato. Assim, eles têm direito ao piso salarial da classe, que geralmente é superior ao salário mínimo. Já explicamos isso na edição anterior deste jornal.
      Se outras razões não existissem, bastaria este motivo para justificar a utilidade e a importância do Sindicato trabalhista.
      Na verdade, são vários os aspectos que mostram que o Sindicato trabalhista é muito importante na luta dos trabalhadores por melhorias salariais e por melhores condições de vida e de trabalho. Mas não há dúvida de que o mais importante de todos esses aspectos é justamente este: o salário recebido por trabalhadores integrantes de categorias organizadas em Sindicato, o qual é sempre (ou quase sempre) superior ao salário mínimo.
     No nosso caso, por exemplo, o piso salarial dos funcionários dos condomínios residenciais é de R$ 672,38, sendo, portanto, R$ 50,38 a mais do que o salário mínimo, que é de R$ 622,00. Assim, os empregados dos condomínios residenciais ganham mensalmente R$ 50,38 a mais do que recebem os empregados que ganham salário mínimo. Isso por mês!
     Vale a pena calcular quanto isso dá em 12 meses (período de vigência da Convenção Coletiva de Trabalho que garante este piso salarial aos empregados representados por este Sindicato). São 13 salários (12 durante o ano + o 13º), além do pagamento das férias e do depósito mensal do FGTS. Na edição de março deste jornal, fizemos os cálculos no caso dos funcionários dos condomínios comerciais, centros comerciais (“shoppings centers”), administradoras de imóveis e administradoras de condomínios. Hoje, estamos fazendo os cálculos no caso dos funcionários dos condomínios residenciais.
      Só nos 13 salários a diferença é a seguinte: os trabalhadores dos condomínios residenciais ganham R$ 654,94 a mais do que recebem os trabalhadores que ganham salário mínimo. Vale repetir: isso só nos 13 salários do ano, sem contar as férias e o FGTS.
      Por estas e outras razões, os nossos companheiros trabalhadores devem reconhecer a importância do Sindicato. Afinal, se este Sindicato não existisse, os companheiros que trabalham nos condomínios estariam recebendo apenas
o salário mínimo, sem essas vantagens que fazem a diferença entre os ganhos do trabalhador organizado em Sindicato
e os recebimentos do trabalhador que não tem uma entidade sindical para defender seus interesses.
       Mas graças à existência deste Sindicato e à nossa luta em defesa dos interesses da categoria, os companheiros trabalhadores representados por esta entidade recebem um piso salarial bem superior ao salário mínimo vigente no País.
        Isso sem falar nas outras melhorias que este Sindicato já conquistou para a nossa laboriosa classe profissional. Exemplificando, podemos citar o adicional noturno de 25% (sendo que a legislação prevê apenas 20% para os empregados urbanos) e o adicional de hora extra de 75% (a Constituição Federal garante apenas 50%), além dos benefícios oferecidos pelo Sindicato aos associados e seus dependentes na área assistencial (assistências médica, odontológica e jurídica).
     Daí a grande importância do Sindicato na vida dos trabalhadores.
     Finalizando, vale ressaltar que seria ótimo para a entidade trabalhista, e consequentemente para os próprios trabalhadores, se todos eles reconhecessem isso e dessem mais valor à sua entidade de classe.

CONVÊNIOS
O Sindicato lembra que possui vários convênios com médicos, dentistas, advogados e outros profissionais, bem como com diversos estabelecimentos, para prestação de serviços aos seus associados. Maiores informações na secretaria da entidade, na Avenida Getúlio Vargas, nº 828, sala 603, ou pelo telefone 3215-9461. TRABALHADOR SINDICALIZADO
 
É TRABALHADOR BEM AMPARADO!
 
A DIRETORIA

SINTRAPOSTO firma novos convênios para os frentistas

     O Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região - SINTRAPOSTO-MG firmou convênio com Pró-Família Administradora de Convênios e Faculdade FACSUN para atendimento com descontos aos trabalhadores e trabalhadoras associados ao Sindicato.
     O presidente do SINTRAPOSTOMG, Paulo Guizellini, lembra que, além desses dois convênios, a entidade possui vários outros, com médicos, dentistas, advogados e outros profissionais, bem como com diversos estabelecimentos, para prestação de serviços aos empregados sindicalizados que trabalham nos postos de combustíveis (a relação dos convênios está no blog do Sindicato: sintrapostomg.blogspot.com).
      Maiores informações na secretaria da entidade, na Rua Halfeld, nº 414, sala 609, Centro, Juiz de Fora (MG), ou pelos telefones (32) 3216-3181 e 3213-7565.
       O SINTRAPOSTO oferece também a prestação direta de serviços jurídicos, sem
necessidade de se agendar hora para isso. O atendimento é feito na sede do Sindicato pelo advogado João Batista de Medeiros, às segundas, quartas e sextas-feiras, no horário de 15 às 17h, e se destina a todos os trabalhadores, sindicalizados ou não.

2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas