Maio de 2015
página 2
 
 
Sindicato pede antecipação salarial,
reajuste da cesta, lanche gratuito e medidas
de segurança para os frentistas

     O Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região - SINTRAPOSTO-MG enviou ofício no dia 26 de maio ao Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (MINASPETRO) pedindo a realização de uma reunião com base na cláusula 35ª da Convenção Coletiva de Trabalho da classe, que prevê a realização de encontro quadrimestral para tratar de assuntos de interesse da categoria. 

     Segundo o presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, o objetivo da reunião é o de pedir ao Sindicato patronal a concessão de antecipação salarial, reajuste da cesta básica de alimentos, fornecimento gratuito de lanches para os trabalhadores e a adoção urgente de diversas medidas de segurança contra assaltos a postos de combustíveis, já que o número de roubos a esses estabelecimentos vem aumentando cada vez mais.   

     De acordo com a solicitação feita pelo SINTRAPOSTO no ofício, a reunião deverá acontecer na sede desta entidade, em Juiz de Fora, entre os dias 8 e 12 de junho.

     Guizellini ressalta que a data-base (ocasião de reajuste salarial e renovação da Convenção) da classe é 1º de novembro, mas como há previsão convencional de que as entidades se reúnam de quatro em quatro meses para tratar de assuntos de interesse dos empregados e empregadores, o SINTRAPOSTO resolveu pedir a realização de tal encontro a fim de solicitar ao Sindicato patronal a concessão de benefícios para os frentistas, principalmente a antecipação de reajuste salarial para a recomposição dos salários corroídos pela inflação.

 
O presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini (o 1º à direita), e o diretor da entidade,
Luiz Geraldo Martinho (o 1º à esquerda), conversando com frentistas num posto
de combustíveis localizado no município de Lavras (MG)
"SINTRAPOSTO está cumprindo o seu dever de lutar por reposição de perdas"
- afirma Guizellini

     O presidente do SINTRAPOSTO-MG salienta que a entidade resolveu pedir ao Sindicato patronal a concessão de antecipação de reajuste salarial para os empregados dos postos de combustíveis por causa das perdas salariais decorrentes da inflação. “Vale lembrar que a inflação acumulada desde 1º de novembro de 2014, quando houve o último reajuste salarial da categoria, já chegou a 6,09% em 30 de abril de 2015. Com isso, a categoria teve perda salarial causada pela inflação acumulada neste ano e nos dois últimos meses do ano passado. Aliás, quase todas as categorias tiveram perda salarial em virtude da inflação acumulada neste ano. E nosso caso, a perda salarial decorrente da inflação foi considerável. Por esta razão, é necessário fazer uma reposição salarial para recompor os salários corroídos pela inflação. Aliás, a mesma coisa acontece com o valor da cesta básica de alimentos, que também precisa de reajuste para recompor o seu poder aquisitivo" - assinala Paulo Guizellini.

     Segundo o sindicalista, "sempre que ocorre perda salarial, há um clamor dos trabalhadores no sentido de que seus salários sejam reajustados para reposição das perdas. Por isso, o Sindicato está cumprindo o seu dever de lutar por isso ao encaminhar os pedidos dos trabalhadores ao Sindicato patronal, que precisa se sensibilizar para as necessidades dos trabalhadores e atender ao que eles estão reivindicando".  

     Guizellini acha que "o governo deveria estudar a possibilidade de fazer o índice inflacionário ser aplicado automaticamente aos salários, deixando que os Sindicatos lutem apenas por ganho real e não por mera reposição de perdas salariais".

     Mas já que esta reposição automática não existe, o SINTRAPOSTO-MG quer que o MINASPETRO conceda aos empregados dos postos de combustíveis uma antecipação de reajuste nos salários e no valor da cesta básica de alimentos, para reposição das perdas provocadas pela inflação.

  
Calcule o valor do seguro-desemprego
que você vai receber

     A nova tabela do seguro-desemprego, que já está em vigor, aumentou o teto do benefício para R$ 1.385,91. O valor mínimo é o equivalente ao salário mínimo vigente no País, fixado em R$ 788,00 desde o dia 1º de janeiro de 2015.

     O reajuste do seguro-desemprego segue as recomendações da Resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) Nº 707, de 10 de janeiro de 2013. Esta medida estabelece que os reajustes das faixas salariais superiores ao valor do salário mínimo nacional observarão a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado e divulgado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acumulada nos 12 meses anteriores.

     O próprio trabalhador pode calcular o valor da parcela do seguro-desemprego que vai receber a partir da remuneração que recebia quando estava empregado. Para salários de valor até R$ 1.222,77, multiplica-se o valor do salário por 0,8. Para salários na faixa entre R$ 1.222,78 e R$ 2.038,15, multiplica-se por 0,5 o que passar de R$ 1.222,77 e acrescenta-se R$ 978,22. Para salários acima de R$ 2.038,15, a parcela será sempre de R$ 1.385,91, invariavelmente.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
"O COMBATE" NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

LEIA NO O COMBATE "ONLINE" AS SEGUINTES NOTÍCIAS:

www.ocombate.com.br

2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas