Maio 2017
página 4
 
 
Posto de combustíveis dá calote em trabalhadores. Sindicato age

O presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini (à esquerda), e o vice-presidente da entidade, Rômulo Garbero (à direita), ao lado de frentistas do Posto Líder Ltda., em Santos Dumont, no dia 17 de maio.

O presidente e o vice-presidente do SINTRAPOSTO-MG, respectivamente Paulo Guizellini e Rômulo Garbero, juntamente com o advogado João Batista de Medeiros, integrante do Departamento Jurídico do Sindicato, estiveram no dia 17 de maio na 2ª Vara do Trabalho de Barbacena, onde foram dar assistência jurídico-sindical ao frentista Vicente de Almeida na audiência relativa à ação trabalhista movida contra o Posto 747 Ltda., que encerrou suas atividades irregularmente e em definitivo no dia 1º de dezembro de 2016 sem pagar os direitos trabalhistas e encargos sociais de seus funcionários. Outros três ex-empregados do mencionado estabelecimento localizado em Santos Dumont também estão sendo defendidos pelo Sindicato na Justiça do Trabalho situada em Barbacena.

Cofre impede que ladrões levem dinheiro de posto de combustíveis

No retorno a Juiz de Fora, o pessoal do SINTRAPOSTO-MG parou em alguns postos de combustíveis localizados em Barbacena e Santos Dumont para conversar com frentistas. No Posto Líder Ltda., em Santos Dumont, um frentista contou aos representantes do Sindicato que recentemente o posto foi alvo de ladrões, mas os larápios não conseguiram levar nenhum dinheiro do estabelecimento graças ao cofre existente lá.

Antecipação de reajuste salarial para os empregados dos postos de combustíveis
“SINTRAPOSTO está cumprindo o seu dever de lutar por reposição de perdas causadas pela inflação” - afirma sindicalista

 

Falando ao jornal “O Combate” sobre a decisão do Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região - SINTRAPOSTO-MG de pedir ao Sindicato patronal a concessão de antecipação de reajuste salarial para os empregados dos postos de combustíveis (ver matéria na página 3), o presidente da entidade, Paulo Guizellini, salientou que tal decisão foi tomada por causa das perdas salariais decorrentes da inflação. “A categoria já está com perda salarial causada pela inflação. Aliás, quase todas as categorias tiveram perda salarial em virtude da inflação acumulada neste ano. Por esta razão, é necessário fazer uma reposição salarial para recompor os salários corroídos pela inflação. Aliás, a mesma coisa acontece com o valor da cesta básica de alimentos, que também precisa de reajuste para recompor o seu poder aquisitivo" - assinalou.

Segundo o sindicalista, "sempre que ocorre perda salarial, há um clamor dos trabalhadores no sentido de que seus salários sejam reajustados para reposição das perdas. Por isso, o Sindicato está cumprindo o seu dever de lutar por isso ao encaminhar os pedidos dos trabalhadores ao Sindicato patronal, que precisa se sensibilizar para as necessidades dos trabalhadores e atender ao que eles estão reivindicando".

Guizellini acha que "o governo deveria estudar a possibilidade de fazer o índice inflacionário ser aplicado automaticamente aos salários, deixando que os Sindicatos lutem apenas por ganho real e não por mera reposição de perdas salariais".

Mas já que esta reposição automática não existe, o SINTRAPOSTO-MG quer que o MINASPETRO conceda aos empregados dos postos de combustíveis uma antecipação de reajuste nos salários e no valor da cesta básica de alimentos, para reposição das perdas provocadas pela inflação.

2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas