Março 2017
página 3
 
 
Sindicalista alerta que trabalhadores também devem fiscalizar cumprimento dos seus direitos e benefícios conquistados pelo Sindicato
“Índice de reajuste salarial dos frentistas é maior que o índice do salário mínimo” – ressalta Guizellini

O presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, ao lado da Auditora Fiscal do Trabalho, Alessandra Parreiras, que mediou a 7ª reunião de negociação coletiva entre o pessoal do MINASPETRO e os representantes dos frentistas de MG, na Superintendência do Trabalho e Emprego (Ministério do Trabalho), em Belo Horizonte, no dia 13 de março.

      Ao avaliar o acordo firmado com o MINASPETRO, o presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, afirmou que “mais uma vez, a exemplo dos anos anteriores, foi muito difícil fechar acordo com o MINASPETRO, pois o Sindicato patronal ainda continua adotando a velha política de arrocho salarial”.

     Mas Guizellini ressalta que “mesmo assim, a nossa luta valeu a pena, pois com o fechamento do acordo e a celebração do 1º Adendo à Convenção Coletiva de Trabalho da categoria, os trabalhadores conseguiram a reposição integral das perdas salariais decorrentes da inflação e até um ganho real, sendo que o percentual de reajuste salarial conquistado por nós foi bem maior que o índice de reajuste do salário mínimo decretado pelo governo federal, já que o nosso índice foi de 8,67% e o índice do salário mínimo foi de 6,48%”.

     Guizellini lembra que “o SINTRAPOSTO está atento na vigilância para garantir o cumprimento dos direitos trabalhistas e encargos sociais pelas empresas, mas é indispensável que os próprios trabalhadores também fiscalizem o cumprimento, pelas empresas, dos direitos e benefícios conquistados para eles pelo Sindicato, conferindo tudo no blog da entidade (sintrapostomg.blogspot.com.br)”.

     Segundo o sindicalista, “os trabalhadores também devem ficar atentos e, se verificarem que a empresa não está lhes pagando seus direitos, podem e devem entrar em contato imediatamente com o Sindicato, denunciando o caso para que a entidade possa tomar as providências cabíveis”. Os telefones 0(xx)32-3216-3181 e 3213-7565 e o e-mail do Sindicato (sintrapostomg@gmail.com) estão à disposição dos frentistas para receber suas denúncias. E a entidade garante sigilo absoluto quanto ao nome do denunciante.

     Ainda de acordo com Guizellini, “o Sindicato vai continuar visitando as bases, como vem fazendo há muitos anos, para informar e orientar pessoalmente os frentistas acerca de seus direitos trabalhistas, bem como fiscalizar se as empresas estão cumprindo a legislação trabalhista e a Convenção Coletiva de Trabalho da categoria, mas, é claro, a entidade não tem os poderes da onipresença e da onisciência para estar em todos os lugares ao mesmo tempo e saber tudo o que está acontecendo em todos os lugares, razão pela qual contamos com a colaboração de todos os companheiros trabalhadores”.

     Para o sindicalista, “a empresa relapsa tem que ser combatida e punida severamente, pois ela prejudica não só seus empregados e o governo, mas também as empresas da própria categoria que, sendo concorrentes, cumprem suas obrigações, pois nesse caso a concorrência entre elas é desleal”.



Homenagem ao saudoso Martinho Corrêa

Sr. Martinho Corrêa e seu neto Rafael Cordeiro Corrêa.

     Faleceu no dia 12 de março, aos 93 anos, na Santa Casa de Misericórdia, em Juiz de Fora, onde estava internado havia sete dias, o Sr. Martinho Corrêa, antigo morador do bairro Grajaú e um dos melhores estofadores desta Cidade.

     Nascido em 11/11/1923, ele era casado com a Srª Manoelina, com quem teve cinco filhos. “Foram 67 anos de casados, uma vida, coisa rara hoje em dia! Um casal lindo! Minha avó Manoelina era o seu braço direito em sua oficina” – conta o seu neto Rafael Cordeiro Corrêa, filho do distinto casal Amélia-Jair Corrêa.

     “Meu avô era como um pai para mim, às vezes nervoso, mas as suas principais características eram as brincadeiras e piadas, não tinha uma pessoa que não dava uma risada do lado dele. Um cara honesto, sincero, amigo e trabalhador. Devoto de Nossa Senhora Aparecida. Rubro-negro fanático, assisti muitos jogos ao seu lado, fomos campeões várias vezes juntos. Brincamos e rimos muito!” – acrescentou Rafael, assinalando em seguida: “Vô, te amo muito! Saudades!” 

     Finalizando, Rafael lembra o refrão da música “Cedo ou Tarde”, da banda NX Zero: “Cedo ou tarde/A gente vai se encontrar/Tenho certeza, numa bem melhor/Sei que quando canto/Você pode me escutar". 

     Ficam registradas aqui as homenagens do pessoal do jornal “O Combate”, especialmente do diretor-redator deste veículo de comunicação, João Batista de Medeiros, à memória do saudoso Martinho Corrêa, que deixou, além da esposa Manoelina e cinco filhos, também doze netos e cinco bisnetos. Um dos filhos é o conhecido comerciante Jair Corrêa, proprietário do Restaurante Tia Amélia. Condolências à família.  


2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas