Novembro de 2011
pag.2
 
 
GALO CARIJÓ JÁ FESTEJA CENTENÁRIO
"Fantasma do Mineirão" virou "Fantasma do Arrudão"

     Juiz de Fora está em festa. Ainda faltam seis meses para o Tupi completar 100 anos, mas o nosso Galo Carijó, fundado em 26 de maio de 1912, já está festejando o seu centenário.
    Após cantar alto no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, em Juiz de Fora, no dia 13 de novembro, quando venceu o Santa Cruz, do Recife (PE), por 1 a 0 (gol de Ademilson), o nosso Galo voou alto e voltou a cantar forte e também muito alto no Estádio José do Rego Maciel (também conhecido por Arrudão e Mundão), em Recife, no dia 20 de novembro, derrotando novamente o Santa Cruz, no segundo jogo da decisão, desta vez por 2 a 0 (gols de Alan, aos 34 minutos do segundo tempo, e Henrique, dois minutos depois).
    Assim, o Tupi conquistou o seu primeiro título nacional, sagrando-se campeão da Série D do Campeonato Brasileiro de 2011, que começou no dia 16 de julho com 40 clubes divididos em 8 grupos.
    Com o Arrudão completamente lotado (54.815 pagantes proporcionaram renda de R$ 754.760,00), o Tupi conseguiu segurar os constantes ataques do Santa Cruz, que jogou bem ofensivo.

    Aos 32 minutos da segunda etapa, O técnico Ricardo Drubscky colocou Henrique, que aos 34 minutos deu passe (cruzando para dentro da área) para Alan marcar o primeiro gol, e aos 36 minutos, ele próprio (justamente o reserva Henrique, que provavelmente nem estava nos planos do treinador naquele jogo) assinalou o segundo gol.
    O Tupi, do técnico Ricardo Drubscky, venceu com Rodrigo; Marquinhos, Ladeira, Silvio e Augusto; Assis, Marcel, Luciano Ratinho (Vitor Hugo) e Michel (Henrique); Ademilson e Allan. Henrique e Vitor Hugo receberam cartão amarelo.
    E o Santa Cruz, do técnico Zé Teodoro, perdeu com Tiago Cardoso; Leandro Souza, André Oliveira e Renatinho; Eduardo Arroz, Memo, Bismarck (Washington), Weslley, Dutra (Kiros); Thiago Cunha e Fernando Gaúcho (Ludemar).
    O árbitro foi Cléber Wellington Abade e os assistentes foram Griselildo de Sousa Dantas e Eduardo Neves.
    No momento em que o nosso Galo acaba de assombrar o Arrudão, vale lembrar o grande time do Tupi de 1966, que ficou conhecido como o “Fantasma do Mineirão”. Aquele foi um dos melhores times que Juiz de Fora já teve em todos os tempos. O site do Tupi conta assim esta história:
   “
No final do ano de 1965, quando o Cruzeiro conquistou o título de Campeão Mineiro, o Tupi passava por um momento menos fortalecido, ficando em último lugar no Campeonato de Juiz de Fora. Então, após uma renovação do time, em janeiro de 1966, o Tupi convidou o Cruzeiro para um jogo na cidade e venceu por 3 x 2, derrotando a famosa equipe de Tostão, Dirceu, Zé Carlos, Piazza, Natal e outros craques. Como um time de Juiz de Fora poderia vencer o grande Cruzeiro? Belo Horizonte não poderia engolir esta afronta. Por isso, o Tupi foi convidado a jogar com o Atlético, no Mineirão. Resultado do desafio: o Tupi derrotou o clube por 2 x 1, que era dirigido por Paulo Amaral. Um novo desafio foi levantado pelo América Mineiro, dirigido por Yustrick, já que o Tupi estava desmoralizando os times de Belo Horizonte. Mais uma vitória do Tupi por 2 x 1 foi o resultado. Quem imaginaria o Tupi derrotar os três times da capital? Isso não poderia ficar assim, então o Cruzeiro pediu uma revanche do jogo realizado em Juiz de Fora, alegando que no Mineirão ia “arrasar” o Tupi e acabar com a brincadeira. Nova vitória do Tupi por 2 x 1 fez todo o Brasil falar naquela equipe, que foi convidada para treinar contra a Seleção Brasileira de Pelé e Garrincha em Caxambu, quando empatou em 1 x 1. O técnico do Tupi era Geraldo Magela Tavares, e a escalação do time base responsável por essas grandes vitórias era a seguinte: Waldir (Hélio); Manoel, Murilo, Dário (Eli Flores) e Walter; França e Mauro; João Pires, Toledo, Vicente e Eurico”.
    Agora, o “Fantasma do Mineirão” virou “Fantasma do Arrudão”, assombrando 55 mil torcedores e calando o Mundão. Que Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, abençoe e ilumine os passos, voos e cantos do nosso Galo em 2012, quando ele vai disputar a Série C do Campeonato Brasileiro. C de Centenário e de Cristo. Após ser campeão da Série D do Campeonato Brasileiro. D de Deus e de Drubscky. E se Deus quiser, muito em breve o nosso Galo estará disputando a Série A do Campeonato Brasileiro. Sim, A de Aureo Fortuna, presidente do Tupi.

JOÃO BATISTA DE MEDEIROS
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
À esquerda, Luiz Geraldo Martinho, Mauro de Oliveira Ruela e Paulo Guizellini, diretores do SINTRAPOSTO.
À direita, a Comissão de Negociação do MINASPETRO, presidida pela srª Cássia Barbosa e assessorada pelo advogado Klaiston Soares de Miranda Ferreira, era formada também por Valdir Rosa da Cunha, Maurício da Silva Vieira e Carlos Eduardo.

   O Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região – SINTRAPOSTO-MG (que representa os empregados dos postos de gasolina, lojas de conveniência, lava-rápidos, estacionamentos e garagens da Cidade e da Região) se reuniu no dia 10 de novembro com o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (MINASPETRO) para negociação da pauta de reivindicações dos trabalhadores do setor. A data-base (ocasião de reajuste salarial e renovação da Convenção Coletiva de Trabalho) da categoria é 1º de novembro.
    A reunião representou a primeira rodada de negociação na campanha salarial deste ano e foi realizada na sede da entidade patronal, em Belo Horizonte.
     Iniciado às 15h40min, o encontro durou cerca de três horas.
   Os representantes dos trabalhadores e os da classe patronal debateram acaloradamente diversos assuntos de interesse dos empregados e empregadores dos postos de combustíveis de Minas Gerais.
    Acompanhado pelos diretores do SINTRAPOSTO, Mauro de Oliveira Ruela e Luiz Geraldo Martinho, e também pelo advogado João Batista de Medeiros, o presidente do Sindicato, Paulo Guizellini, lutou exaustivamente pela conquista de melhorias salariais, outros benefícios e melhores condições de trabalho para os empregados dos postos de gasolina.
    Do outro lado, defendendo os interesses da classe patronal, a Comissão de Negociação do MINASPETRO, presidida pela srª Cássia Barbosa e assessorada pelo advogado Klaiston Soares de Miranda Ferreira, era formada também por Valdir Rosa da Cunha, Maurício da Silva Vieira e Carlos Eduardo.
    Após diversas tratativas, a Comissão Negociadora do Sindicato patronal apresentou – mas depois retirou – proposta de reajuste salarial de 6,9%, inclusive sobre o valor da cesta básica de alimentos e da PLR – Participação nos Lucros e Resultados das empresas. O SINTRAPOSTO não aceitou a proposta por considerá-la “abaixo das necessidades dos trabalhadores do setor”, conforme disse o presidente da entidade, Paulo Guizellini.
    Divergindo-se sobre várias questões, principalmente sobre o índice de reajuste a ser aplicado aos salários dos trabalhadores, os representantes do SINTRAPOSTO e do MINASPETRO não chegaram a um acordo para celebração da nova Convenção Coletiva de Trabalho da categoria.
    Foi agendada, então, para o dia 29 de novembro uma nova rodada de negociação.
    
    CAMPANHA UNIFICADA
  
Ao contrário do que aconteceu na campanha salarial da categoria nos dois últimos anos, quando o SINTRAPOSTO participou das rodadas de negociação com o MINASPETRO juntamente com outros Sindicatos de frentistas de Minas Gerais e com a Federação Nacional dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo (FENEPOSPETRO), este ano o Sindicato que representa os frentistas em Juiz de Fora e Região se reuniu sozinho com o Sindicato patronal, não atuando em conjunto com as outras entidades em negociação coletiva com pauta unificada.
    Mas segundo o presidente do SINTRAPOSTO, a unificação das campanhas salariais dos frentistas de Minas Gerais ainda pode acontecer. “Isso depende apenas de alguns entendimentos entre as entidades envolvidas, a exemplo do que ocorreu nos dois últimos anos. Basta haver uma reunião entre o SINTRAPOSTO e as entidades coirmãs para que tal unificação seja definida. De nossa parte, estamos prontos para atuar em conjunto com as outras entidades em negociação coletiva com pauta unificada” – ressaltou Guizellini.

O presidente do SINTRAPOSTO, Paulo Guizellini, e o advogado do
MINASPETRO, Klaiston Soares (ao centro), durante reunião na sede
do Sindicato patronal, em Belo Horizonte, no dia 10 de novembro
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas