Novembro de 2015
página 2
 
 
Assaltos a postos de gasolina continuam a aterrorizar JF. E Sindicato volta a cobrar medidas de segurança

O presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini (o 1º à direita), continua muito preocupado com a integridade física dos frentistas por causa dos constantes assaltos a postos de combustíveis. (Foto: Arquivo O Combate)

     Novembro começou com assaltos a postos de combustíveis em Juiz de Fora. Logo no 1º dia deste mês, dois estabelecimentos foram assaltados. Sete dias depois, outro posto foi alvo de ladrões.

     Essa onda já antiga de assaltos a postos de combustíveis na Cidade continua preocupando o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região - SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini. Ele voltou a cobrar a “adoção urgente de uma série de medidas eficientes e eficazes para inibir a ação de bandidos e aumentar a segurança nos postos de gasolina de Juiz de Fora”, pedindo providências à classe patronal e às instituições responsáveis pela segurança pública. “Os assaltos a postos continuam a aterrorizar a Cidade, e até estão se alastrando cada vez mais, pondo em risco a integridade física de frentistas, transeuntes e clientes desses estabelecimentos, mas não estamos vendo grandes providências serem tomadas para conter essa escalada de violência e roubos” – afirmou o sindicalista.

     Guizellini reafirmou que o SINTRAPOSTO vai continuar se movimentando na defesa dos trabalhadores e no sentido de combater e conter os assaltos a postos de gasolina. Já pediu, inclusive, que a Câmara Municipal realize uma audiência pública para tratar do assunto, o que deverá ocorrer muito brevemente.

     Segundo o sindicalista, havendo transtornos psíquicos ou agressões físicas ao trabalhador assaltado, “o Departamento Jurídico do Sindicato vai acionar a empresa na Justiça, cobrando indenização por danos morais e materiais para o trabalhador”.

     Guizellini lembrou que há algum tempo o juiz da Vara do Trabalho de Itaúna (MG), julgando a ação de um frentista baleado durante assalto ao posto de gasolina em que trabalhava, condenou a empresa a indenizar o trabalhador em R$ 40 mil, e a sentença foi confirmada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT-MG), sendo que na ocasião, a Justiça declarou que a responsabilidade civil (obrigação de indenizar) do posto de gasolina nesses casos não é somente subjetiva, ou seja, quando há culpa da empresa, mas também objetiva, ou seja, mesmo sem culpa da empresa.   

     Assim, de acordo com Guizellini, “qualquer funcionário de posto que for assaltado deve imediatamente chamar a Polícia para registrar a ocorrência e, em seguida, comunicar o fato ao SINTRAPOSTO-MG, pelos telefones 0-32-3216-3181 e 3213-7565, para que, havendo transtornos psíquicos ou agressões físicas ao trabalhador assaltado, o Departamento Jurídico do Sindicato possa tomar as providências cabíveis, tendo em vista que os casos de transtornos psíquicos ou agressões físicas a frentistas, em decorrência de assalto, são considerados acidentes de trabalho, sendo obrigatória a emissão de CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho)”. 

     Os trabalhadores podem comunicar ao SINTRAPOSTO-MG a ocorrência do assalto ao posto também na sede do Sindicato, na Rua Halfeld, nº 414, sala 609, Centro, Juiz de Fora (MG), ou pelo e-mail da entidade (sintrapostomg@gmail.com) ou pelo site deste jornal (www.ocombate.com.br), clicando no espaço “FALE CONOSCO”.

Bandidos se passam por clientes e assaltam posto de combustíveis

     De acordo com informações da Polícia Militar, por volta das 20h50 de domingo (dia 1º de novembro), um meliante, munido de uma arma de fogo, anunciou o assalto a um posto na Avenida Brasil, nº 2.550, no Bairro Mariano Procópio, na região Nordeste. Levando R$ 700, o assaltante fugiu em direção à Avenida Sete de Setembro em uma moto Honda Twister, guiada por outro ladrão.

     Poucos minutos antes, outro posto de combustível já havia sido assaltado na Rua Vitorino Braga, nº 700, no bairro de mesmo nome, na região Sudeste. Conforme a PM, dois bandidos chegaram ao estabelecimento em uma moto preta, portando um revólver calibre 38, e anunciaram o roubo. Logo em seguida, eles fugiram com R$ 300 do posto. A PM fez rastreamento nas imediações, mas ninguém foi preso.

     No fim da noite do domingo seguinte (8 de novembro), a Polícia Militar registrou mais um assalto a posto de combustíveis na Cidade. Três ladrões, armados com pistola e facão, sendo que um deles usava touca ninja, se passaram por clientes antes de assaltarem o posto de combustíveis situado na Avenida Antônio Simão Firjan, no Distrito Industrial, na Zona Norte. Segundo a PM, o trio chegou ao local em um Fiat Palio e pediu ao frentista, de 30 anos de idade, para completar o tanque e o óleo do motor. Logo após a saída de outro carro que estava sendo abastecido, dois dos ocupantes do Palio desceram do veículo empunhando as armas e anunciaram o assalto.

     Em seguida, a dupla armada abordou outro empregado do posto. Ele se encontrava no caixa quando recebeu ordens dos bandidos para lhes mostrar o cofre no escritório. Os trabalhadores explicaram que não possuem acesso ao cofre. Os larápios tentaram arrombar a porta, mas não conseguiram. Então, mandaram os frentistas se esconderem nos fundos do posto e fugiram no carro pela BR-040, levando R$ 866 do caixa e os celulares dos frentistas. A PM fez rastreamento, mas não conseguiu prender nenhum suspeito.

“O COMBATE” NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES
LEIA NO O COMBATE “ON LINE” AS SEGUINTES NOTÍCIAS:
2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas