Outubro de 2016
página 4
 
 
Três postos de combustíveis assaltados em apenas sete horas

O presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini (o 1º à direita), junto com frentistas em um posto de gasolina situado em Juiz de Fora. (Foto: Arquivo “O Combate”)

     A Polícia registrou três assaltos a postos de combustíveis em Juiz de Fora em apenas sete horas na noite de 6 de outubro (quinta-feira) e madrugada do dia seguinte.

     O primeiro caso ocorreu na Rua Vitorino Braga, no bairro de mesmo nome, na Zona Leste, por volta das 20h. Um frentista de 23 anos contou que dois bandidos chegaram ao local em uma motocicleta e, simulando estarem armados, roubaram R$ 240,00 do posto. A Polícia Militar (PM) fez rastreamento nas imediações, mas não encontrou os larápios.

     O segundo assalto aconteceu cerca de seis horas depois em um posto de combustíveis situado na Avenida Deusdedith Salgado, no Bairro Salvaterra, na Zona Sul. Com os rostos tampados, dois ladrões chegaram ao local também em uma motocicleta por volta das 2h e anunciaram o assalto, levando R$ 420,00 do posto e um aparelho celular de um frentista, de 37 anos. A PM fez buscas nas imediações, mas não conseguiu localizar nenhum suspeito.

     O terceiro assalto ocorreu minutos depois em um posto de combustíveis localizado na Avenida Juscelino Kubitschek, no Bairro Nova Era, na Zona Norte. Dois meliantes chegaram a pé ao local e, com uma arma de fogo, roubaram R$ 450,00. Ninguém foi preso.

     O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região - SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, voltou a dizer que continua muito preocupado com a integridade física de todos os frentistas, mas principalmente daqueles que trabalham à noite, quando os assaltos são mais frequentes. “O crescimento assustador do número de crimes desse tipo na Cidade está a exigir a adoção urgente de uma série de medidas que sejam capazes de conter esses assaltos, sendo que isso deveria causar enorme preocupação a todos, e não só a nós, frentistas, pois essa escalada da violência está pondo em risco a saúde e a vida não só dos trabalhadores, mas também dos transeuntes e clientes dos postos de combustíveis” – afirmou Guizellini.


Artigo atualíssimo e urgentemente necessário

     Conforme “O Combate” já noticiou, o jornalista Miguel Ribeiro Gomide, redator de Turismo deste jornal, faleceu no dia 25 de março de 2016, aos 88 anos, na Santa Casa de Misericórdia, em Juiz de Fora, onde estava internado havia vinte dias, em consequência de um linfoma, contra o qual lutou durante cerca de dois anos.

     Gomide foi colunista deste jornal durante muitos anos, escrevendo a coluna “Turismo”, que depois teve seu nome mudado para “Turnews”.

     Devido aos constantes assaltos a postos de combustíveis que há muitos anos vêm ocorrendo em Juiz de Fora, e desgraçadamente continuam a infernizar a vida da população (ver matéria acima), Gomide escreveu há mais de dois anos um artigo que continua atualíssimo.

     Publicado originalmente no jornal “O Combate” de julho de 2014, tal artigo está publicado (ver abaixo) novamente neste jornal não só por ser atualíssimo como também por ser urgentemente necessário.

PLANTÃO NOTURNO NOS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS DE JUIZ DE FORA PARA EVITAR ASSALTOS

     Em sua edição nº 293, “O COMBATE” publica a seguinte proposta do Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região - SINTRAPOSTO-MG, o Sindicato dos frentistas: em face dos constantes assaltos a postos de combustíveis em Juiz de Fora, colocando em perigo a vida dos frentistas, que os postos sejam fechados no período de 22h30min às 6h00min.

     A medida solicitada é consequência da falta de vigilância e impossibilidade da Polícia Militar de estar presente a um só tempo em diversos locais suscetíveis de ataques, considerando-se que os postos de gasolina situam-se em várias regiões da Cidade.

     A fim de se evitar um “apagão” durante a noite até de manhã, sugere-se que em vez de seu fechamento, se estabeleça um plantão no referido horário. E se esclareça quais os postos que estarão funcionando. Neles, uma vigilância reforçada e permanente durante o plantão.

     Outro esquema seria projetado para os horários diurnos.

     Não se pode olvidar o crescimento periódico do número de automóveis, ônibus, caminhões e motos circulando pela Cidade, todos eles dependentes dos postos de combustíveis a todos os momentos.

     É melhor acender uma vela do que amaldiçoar a escuridão...

M. R. Gomide – Jornalista e Redator de Turismo do jornal “O Combate”

 (Publicado originalmente no jornal “O Combate” de julho de 2014)



2011 © Direitos reservados Jornal O Combate    -    web por: GFT artes gráficas