Campanha salarial dos frentistas continua sem definição após três reuniões com Sindicato patronal

O presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini (o 2º a partir da esquerda), tendo à sua direita o advogado João Batista de Medeiros, integrante do Departamento Jurídico da entidade, participando da 3ª reunião com a Comissão Negociadora do MINASPETRO (à direita), na sede do Sindicato patronal, em BH, no dia 19 de novembro.

A campanha salarial dos empregados dos postos de gasolina, lojas de conveniência, lava-rápidos, estacionamentos e garagens de Juiz de Fora e Região, iniciada no dia 27 de setembro, teve no dia 19 de novembro mais uma rodada de negociação, mas continua sem definição.

O Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região – SINTRAPOSTO-MG e as outras entidades sindicais dos frentistas deste Estado se reuniram pela terceira vez com o Sindicato patronal para negociação da pauta de reivindicações dos trabalhadores do setor, cuja data-base (ocasião de reajuste salarial e concessão de outros benefícios aos trabalhadores) é 1º de novembro. |Página 2|


Aumento salarial e outros benefícios para os trabalhadores dos condomínios já vêm aí

O advogado João Batista de Medeiros; o diretor e o presidente do SINDEDIF-JF, respectivamente Francisco de Assis e Luiz José da Silva; o presidente do SINDICON, Márcio Tavares; e a advogada Larissa Barata, na 2ª reunião da negociação coletiva, no dia 20 de novembro.

Foi realizada no dia 20 de novembro a segunda rodada de negociação da campanha salarial dos empregados dos condomínios de Juiz de Fora.

A data-base (ocasião de reajuste salarial e concessão de outros benefícios aos trabalhadores) da categoria é 1º de janeiro, mas o Sindicato dos Empregados em Edifícios e nas Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Comerciais e Residenciais de Juiz de Fora – SINDEDIF-JF e o Sindicato patronal resolveram agilizar a negociação referente à data-base de 2020, já desencadeando o processo negocial. Isso significa que já vêm aí reajuste salarial e outros benefícios para esses trabalhadores. |Página 4|


Sindicato denuncia “sobrecarga de trabalho” em postos de gasolina |Página 3|