Sindicato consegue aumento salarial e outros benefícios para os frentistas

| Página 2 |

 

O presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, e o advogado João Batista de Medeiros, integrante do Departamento Jurídico doSINTRAPOSTO-MG, participando da 6ª reunião com o MINASPETRO, na sede do Sindicato patronal, em BH, no dia 19 de março. (Foto: Arquivo O Combate)

Mais uma vez, demorou muito,mas, enfim, terminou a campanha salarial de 2023 dos frentistas de Minas Gerais. Mais de cinco meses (ou 162 dias) após a data-base da categoria (1º de novembro), os representantes dos empregados dos postos de combustíveis deste Estado finalmente conseguiram fechar acordo com a entidade patronal (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais – MINASPETRO).

Questionado sobre os motivos dessa demora,o presidente doSindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região – SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini, afirmou: “Os motivos são muitos, e todos eles causados pelo Sindicato patronal, que só apresentava propostas inaceitáveis na mesa de negociação. Ele é o único causador do atraso das negociações porque a sua Comissão Negociadora, ao longo de todo esse tempo, fez de tudo para tumultuar, emperrar e atrasar o processo de negociação”.

 

Remuneração mínima dos frentistas passa para R$ 2.002,98

Todas as entidades sindicais que representam os empregados dos postos de combustíveis de Minas Gerais, as quais estavam atuando em conjunto, com pauta unificada, estiveram presentes na reunião realizada no dia 11 de abril, na sede do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais – MINASPETRO, em Belo Horizonte.

Após muitas horas de negociação, as entidades trabalhistas e o Sindicato patronal finalmente fecharam acordo para celebração da nova Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. Isso aconteceu só na 7ª rodada de negociação.

Com o acordo, todos os postos de combustíveis de Minas Gerais ficaram obrigados a reajustar o salário de todos os seus empregados em 6,97%. Assim, o “salário básico mensal” (garantia mínima) passou para R$ 1.540,75a partir de 1º de novembro de 2023 (o reajuste tem efeito retroativo à data-base da categoria). Com o adicional de periculosidade de 30% (R$ 462,23), a remuneração mensal mínima do frentista passou para R$ 2.002,98.

As diferenças salariais de novembro, dezembro e do 13º salário de 2023, bem como as de janeiro, fevereiro e março de 2024 (decorrentes do efeito retroativo), terão que ser quitadas pelos postos de combustíveis aos empregados que trabalharam nesse período recebendo o salário antigo.

Além do reajuste salarial, as empresas terão que pagar a todos os trabalhadores que mantiveram vínculo empregatício dentro do período de 1º de novembro de 2022 e 31 de outubro de 2023 um abono de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) no valor de R$ 540,00.

Além disso, o valor mínimo da “cesta básica” (ou “vale-alimentação”), num total mínimo de 30 kg de alimentos, que os postos de combustíveis de Minas Gerais são obrigados a fornecer a todos os seus empregados, até o 15º dia do mês, foi reajustado em 20%, passando de R$ 170,00 para R$ 205,00 a partir de abril de 2024.

Foram mantidas todas as cláusulas sociais da Convenção, tais como a gratificação de quebra de caixa, o seguro de vida em grupo e a gratificação de férias de 20 horas. Todos os outros benefícios para os frentistas, como, por exemplo, o adicional de hora extra de 60%, também foram renovados e, portanto, continuam assegurados pelo instrumento coletivo firmado pelos Sindicatos.

 

Sindicato destaca ganho real de 2,83% nos salários dos frentistas

A proposta inicial do MINASPETRO, apresentada na quinta e na sexta rodadas de negociação, era a seguinte: 3,1% de reajuste salarial; 3,1% de reajuste no atual valor da cesta básica de alimentos, que passaria, então, a ser de R$ 175,00;e fixação do valor de apenas R$ 100,00 para a PLR. “Isso não atendia às mínimas necessidades dos frentistas e representava mais arrocho salarial, razão pela qual foi veementemente rejeitada por todos nós, representantes dos trabalhadores”, afirma o presidente do SINTRAPOSTO-MG, Paulo Guizellini.

Em seguida, ele acrescentou: “Mais uma vez, a exemplo dos anos anteriores, foi muito difícil fechar acordo com o MINASPETRO, pois o Sindicato patronal ainda continua adotando a velha política de arrocho salarial, mas nós resistimos e insistimos e, assim, conseguimos mais uma vitória na nossa difícil luta sindical por melhorias salariais e melhores condições de vida e de trabalho para a nossa laboriosa categoria profissional”.

Guizellini ressalta que “a nossa luta valeu a pena, pois conseguimos para os trabalhadores a reposição integral das perdas salariais decorrentes da inflação e até um ganho real, sendo que o percentual de reajuste salarial conquistado por nós foi bem maior que o índice da inflação, já que o nosso índice foi de 6,97% e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), medido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em outubro de 2023 foi de 0,12% e o acumulado do período de 12 meses foi de 4,14%. Isso significa um ganho real de 2,83% em relação ao INPC”.

Mais informações podem ser obtidas na Secretaria do SINTRAPOSTO-MG, na Rua Halfeld, nº 414, sala 609, Centro de Juiz de Fora, ou pelos telefones (32) 3216-3181 e 3213-7565 ou pelo e-mail da entidade(sintrapostomg@gmail.com)ou também pelo WhatsApp (9-9817-5252).

 

 


“Digno é o trabalhador do seu salário”

(Evangelho de Lucas, capítulo 10, versículo 7).

Foi Jesus Cristo quem disse isso, dirigindo-se aos obreiros do Evangelho. Mas esta frase de Jesus vale também para os obreiros em geral, significando que O TRABALHADOR TEM QUE RECEBER O QUE MERECE, isto é, UM SALÁRIO DIGNO.

No Evangelho de Mateus 10.10, Jesus diz: “Digno é o trabalhador do seu alimento“.

A utilização da palavra “salário” (em Lucas 10.7) ou “alimento” (em Mateus 10.10) não muda em nada o sentido básico do provérbio, pois o salário tem natureza alimentar.

Por estas razões, apontadas pelo Mestre dos Mestres, queremos aproveitar o Dia do Trabalhador para lembrar aos empregadores e às autoridades em geral este dito do Divino Mestre.

E com estas palavras de Jesus, queremos cumprimentar fraternalmente toda a classe trabalhadora ao ensejo do transcurso do seu Dia (1º de Maio).

Sindicato dos Trabalhadores em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Juiz de Fora e Região – SINTRAPOSTO-MG

Paulo Guizellini – Presidente
Demais Diretores e funcionários